terça-feira, 11 de setembro de 2012

Aguiar e as partilhas

O ministro das Forças Armadas teve a ideia de estudar projectos de capacidades conjuntas com a Espanha, que podem ir de uma cadeia comum de abastecimentos até à utilização de meios espanhois, incluindo a edificação de capacidades comuns. Independentemente de toda a argumentação pró ou contra que possa haver, devia saber que no passado, sempre que Portugal se meteu em projectos comuns, ou se arrependeu, ou não queria cumprir os compromissos, ou ficou surpreendido com o preço depois de se comprometer, etc. Ou seja, foi sempre o elo mais fraco. Vi sempre a perspectiva do género eles pagam e nós vamos, ou nós vamos e depois logo se vê. Este chico-espertismo pode ser apelativo em tempo de crise, portanto é preciso ter muita cautela com esta gente sem experiência nem memória, para não fazermos a figura triste do costume.

2 comentários:

O Ferreira da Silva disse...

Pois é ... associação com iguais as coisas ainda podem ir, se não nos deixarmos comer. Associação com os mais fortes dá sempre em fazermos o que os mais fortes querem ... e quem se lixa é sempre o mexilhão (o professor conseguiu trazer este bivalve para a ordem do dia!)

O J. Teixeira de Aguilar disse...

Mas o que é que se passará na cabeça desta gente que nos governa? Estarão por acaso a caminho de equacionar que seria mais barato e eficiente sermos governados pelos espanhóis do que por eles? Palpita-me que o hífen está a isolar a ligação entre dois neurónios...