domingo, 16 de março de 2014

A nossa democracia

Recomendo vivamente a leitura e meditação sobre um artigo de Vasco Pulido Valente, com o título em epígrafe, publicado no Público de hoje.

Tenham um bom Domingo.

Jorge Beirão Reis escreve de acordo com a ortografia que aprendeu na Escola da Ponte, no Porto (com erros à mistura).

Nota do Curso OC: Para lerem o artigo recomendado pelo JBR podem seguir esta ligação.

1 comentário:

O Nunes da Cruz disse...

Dá que pensar e preocupar.
D. Afonso Henriques, conquistou a independência pela força das armas.
Em 1385 mantivemo-la pela mesma força.
Em 1580, a força não chegou e ficámos sujeitos ao reino vizinho.
Em 1640, aproveitando embora uma conjuntura externa favorável, foi ainda pelas armas que recuperámos a independência.
No século XIX, foi ainda pela mesma força das armas, aqui com forte ajuda e interesse inglês, que resistimos à planeada divisão do país pelos franceses e espanhóis.
Agora, até onde vai resistir a nossa independência perante uma arma que nem de perto dominamos , antes pelo contrário por ela temos vindo a ser dominados e esmagados, a finança internacional sem rosto nem humanidade?
Não concordo com o VPV quando diz que "aqueles senhores" deviam pensar duas vezes no que fazem. Deviam pensar muitas mais, sempre, no que nos estão a fazer e a permitir que nos façam. Ou então, que dêem o lugar a outros mais interessados no país e no povo português.