sábado, 14 de abril de 2018

ADÁGIOS MARÍTIMOS (5)


No Poente, Sol rubro e relampejante, se há calma, o temporal não deve tardar.
Sol especado, toma cuidado.
Sol posto ledo, com claro ao Norte, anda sem medo que estás com sorte.
Sol roxo, água ao olho.
Sol com anéis, água a tonéis.

NÁUTICA


O que na gíria náutica de antigamente, significava a expressão “Caldo e Nabo”?

TITANIC


A 14 de Abril de 1912, pelas 2340HH (hora local) o Titanic em plena viagem inaugural, abalroa um iceberg, que provoca o seu afundamento pouco tempo depois (0220 do dia seguinte).

quinta-feira, 12 de abril de 2018

ADÁGIOS MARÍTIMOS (4)


Relâmpagos ao Norte, vento forte; se do Sul vem, chuva também.
Remadores novatos, vaga ronceira.
Sardinha em Abril, pega-lhe pelo rabo e deixa-a ir.
Se de bolina griva o “sobre”, em andar, a barca é pobre.
Se o Sudoeste vem mansamente, quando entra a roncar é duro e persistente.
Rosado sol posto, cariz bem disposto.
Quando ao sol posto o Norte é puro, tens bom tempo seguro.

Concorrência!


Mais vale tarde...











COSMONÁUTICA


Hoje celebra-se o “Dia do Cosmonauta” porque foi a 12 de Abril de 1961 que Yuri Gargarin rumou ao espaço na cápsula Vostok I.
Também neste dia 12 de Abril mas de 1981, foi lançado o primeiro vai-vem espacial, o “Columbia”.

quarta-feira, 11 de abril de 2018

ADÁGIOS MARÍTIMOS (3)


Se a caminho do Cabo, à noite orvalhar,aguarda os poentes que não hão-de tardar. (Prev. de Diogo Afonso, para a torna viagem da Índia).
Cada pau aguenta sua vela.
Pescador de cana come mais do que ganha.
Pescador que não se molha não comerá muita solha.
À popa arrasada até um carro anda.
Com bom tempo não faltam pilotos.
Dá-me quilha se queres que te dê muita milha.
Rabos de galo no firmamento, são sinal de vento.

terça-feira, 10 de abril de 2018

O almoço OCeânico do mês de Abril

Hoje, na Rua de S. José e no local do costume realizou-se mais um almoço que, apesar do dia chuvoso e do transtorno do trânsito, teve a presença de doze valentes e animosos OCeanos. Com o entusiasmo que exibiam até pareciam os lendários Doze de Inglaterra (Os Lusíadas, Canto VI, estrofes 42-49), prontos a defender qualquer dama ofendida que por ali aparecesse. Porém, em vez dos Doze de Inglaterra eles foram apenas os Doze da Rua de S. José que, naturalmente, não defendem damas ofendidas mas que convivem e se divertem com a evocação das suas memórias marinheiras.

Almoço OC - 10.4.2018


Poucos, o dia não ajudou, mas o convívio, como sempre, foi excelente.

segunda-feira, 9 de abril de 2018

Lembrança

Atenção aos mais esquecidos: quem quiser e puder, não se esqueça de cumprir o calendário de amanhã.

ADÁGIOS MARÍTIMOS (2)


Foi-se o Nordeste, turvou-se o azul, fugiu do Norte, foi para o Sul.
Nordeste molhado não te dê cuidado.
Nordeste anoitecido, vendaval amanhecido.
Com Norte novo e Sul velho, tomar cuidado é bom conselho.
Nuvem comprida que se desafia é sinal de grande ventania.
Nuvens aos pares, paradas, cor de cobre, é temporal que se descobre.

domingo, 8 de abril de 2018

ADÁGIOS MARÍTIMOS


Alguns adagios criados pelos marinheiros.
Nascente anuveado antes do Sol nado , sinal é de que o dia será molhado.
Se ao vale a névoa baixar, vai para o mar; se pelos montes se atrasa, fica em casa.
Névoa em Setembro traz Sul ao ventre.
Névoa no Verão, Norte na mão.
Depois de chuva, nevoeiro, terás bom tempo, marinheiro.
Se de dia o Nordeste sopra com alma, chegada a noite quase sempre acalma.