quarta-feira, 11 de abril de 2018

ADÁGIOS MARÍTIMOS (3)


Se a caminho do Cabo, à noite orvalhar,aguarda os poentes que não hão-de tardar. (Prev. de Diogo Afonso, para a torna viagem da Índia).
Cada pau aguenta sua vela.
Pescador de cana come mais do que ganha.
Pescador que não se molha não comerá muita solha.
À popa arrasada até um carro anda.
Com bom tempo não faltam pilotos.
Dá-me quilha se queres que te dê muita milha.
Rabos de galo no firmamento, são sinal de vento.

Ninguém comentou esta onda