sexta-feira, 7 de março de 2008

Coisas várias deste país

Respigando a imprensa , aqui e ali vão-se encontrando coisas curiosas do nosso particular interesse. Pegando nessa última da PJM vir a ter um civil à frente, não me admirava que fosse por não se conseguir encontrar um militar que aceitasse o lugar. Ao que consta, no IASFA ficou com um presidente na reserva porque os do activo recusaram o lugar. Pudera, quem quer um buraco daqueles, com restruturação e tudo? Portugal pondera agora o reforço da sua presença no Afeganistão! Achei estranho que, aqui há meses, o inefável tivesse anunciado que iamos reduzir o nosso contingente quando, tanto a NATO como os EUA, andavam desaustinados a pedir aos países que reforçassem as tropas. Na última ministerial de Bruxelas o Secretário da Defesa leu-lhes a cartilha; possivelmente tiveram uma conversa de pé da orelha enquanto bebiam um copo, e pronto, altera-se o rumo que era de colisão. A propósito de colisão, parece que os Falcon do governo estão velhos e acendem muitas luzes vermelhas. Um perigo. Não há problema, compram-se outros. Pasme-se! O material militar anda a cair ou já parou. Leva trinta ou quarenta anos a substituir seja o que for e com obstruções de todo o lado, mas para os representantes do povo é imediato. A propósito de imediato, parece que a Marinha fez uma importante alteração nos uniformes. Segundo uma jornalista embarcada na Vasco da Gama, no meio de uma descrição tontinha da manobra de largada do Alfeite, informava que alguns militares envergavam pela primeira vez uma boina, diferente dos tradicionais bonés e panamás, para facilitar a mobilidade. Se é o que penso, é a realização de uma ideia que já germinava nos anos 70 e 80, mas que encontrava feroz oposição dos fuzileiros. Boina há só uma... Já havia boinas em todas as marinhas e nós panamá e bivaque. Uma beleza! Acho bem, mas agora com boina e blusão de cabedal o marujo parece-se cada vez mais com um sigurança.

1 comentário:

O MPM disse...

Ver o blog do Botelho Leal a proposito das "boinas" numa pequena crónica do Com. Costa Correia.

Sobre os Falcon , o Gago (maior utilizador) é que devia ter avisado antes , ainda no tempo do Guterres , em que foi batido o record de horas.

"Mas há sempre um que resiste...." e pergunto-me :Porquê esta provocação permanente , sem necessidade nenhuma?