quarta-feira, 18 de abril de 2007

Ota

No meio desta novela do novo aeroporto há uma coisa que ainda têm que me explicar, que é a saturação da Portela. Ainda esta semana o MOP afirmou que a Portela está a funcionar em condições dificeis devido ao aumento de tráfego e que não é possível manter dois aeroportos na mesma região.
Quem for ao aeroporto,como antigamente, para ver aviões, verificará que é o lá vai um, de vez em quando, havendo horas de ponta em que lá aterram uns quantos intervalados de cinco ou dez minutos. Isto comparado com os aeroportos da Europa onde os aviões fazem bicha para descolar, dá vontade de rir. Portanto a saturação não é na operação aérea com certeza. Já no que diz respeito aos passageiros e manuseamento da bagagem é que o granel é frequente. Então agora que concessionaram a uma companhia privada é de perder a paciência com as esperas. Parece, por isso, ser justo perguntar se o problema é do aeródromo ou da gare e da incompetência para a gerir.
Quanto a não poder haver dois aeroportos na mesma região, basta ver Londres ( Heathrow, Gatwik, Sanstead e City), Nova Iorque ( J.F.K., La Guardia, Newark), Rio de Janeiro ( Galeão, Santos Dumont). Ou seja, devemos ser os únicos com o passo certo na formatura...
Alguém consegue explicar ?

1 comentário:

O Orlando Temes de Oliveira disse...

Também eu fico espantado com tanta confusão de argumentos e bocas. Mas para mim o que falta explicar é onde se encaixa est enorme infraestrutura, que é um novo aeroporto, na estratégia do País. Os tais milhões de passageiros vem a Portugal fazer o quê? Turistas? Empresários? 3ª idade? Não será que a localização deve depender da região do país a que se destinam prioritáriamente? É verdade esqueci-me que o projecto estratégico para Portugal ainda não está apresentado.......