quinta-feira, 11 de setembro de 2008

ONDE ESTAMOS?

O homem que ontem feriu gravemente um outro com três tiros dentro da esquadra da PSP de Portimão vai ficar a aguardar o julgamento em liberdade, mas proibido de abandonar o concelho, segundo fonte judicial. O juiz de Instrução Criminal do Tribunal de Portimão, Pedro Frias, que ouviu o indivíduo esta tarde, determinou, como medidas de coacção, a aplicação de Termo de Identidade e Residência e apresentações diárias na esquadra da PSP.O homem, de 55 anos, ficou também proibido de contactar a vítima e sua família. O autor dos disparos dentro da esquadra, que provocaram ferimentos muito graves num homem de 31 anos, ainda internado no Hospital de S. José, está indiciado pelos crimes de homicídio simples na forma tentada e posse de arma proibida. A inquirição do indivíduo durou cerca de uma hora, entre as 16h00 e as 17h00.O homem que foi baleado está internado nos cuidados intensivos do hospital de São José, em Lisboa, e mantém-se com "prognóstico reservado", segundo fonte hospitalar. O conselho de administração do Centro Hospitalar de Lisboa Central, adianta, em comunicado, que o homem, de 31 anos, está internado na unidade de cuidados intensivos e que a sua situação clínica "é muito grave e com prognóstico reservado".A vítima, atingida com tiros na face, cabeça e tórax, foi transferida para o hospital de Lisboa terça-feira ao fim da tarde, depois de ter passado pelo bloco operatório do Hospital do Barlavento Algarvio, para estabilizar os ferimentos.Em conferência de imprensa realizada ontem, a PSP de Faro informou que antes de os disparos serem efectuados, no interior da esquadra da PSP de Portimão, o agressor, de 55 anos, e a vítima aguardavam "em locais separados" o momento para fazerem as respectivas denúncias.

3 comentários:

O Jorge Beirão Reis disse...

Eu ouvi ontem, mas sem prestar muita atenção, o Meretíssimo Juiz, Presidente do Supremo Tribunal de Justiça, comentar a decisão do Juiz de Instrução Criminal de Portimão, aparentemente, concordando com tal decisão ou considerando-a defensável.
Será que Portugal necessita de ser internado em hospital psiquiátrico?
Isto está difícil!.
Tenham um muito bom fim de semana!

O J Lourenço Gonçalves disse...

Pois. Esse senhor Presidente do STJ foi um sindicalista activo durante muitos anos e ainda não lhe perdeu o geito (de defesa da classe)
A decisão pode ser defensável (só conhecendo os fundamentos se poderá avaliar) mas, à primeira vista, poderia ter sido outra.

O J Lourenço Gonçalves disse...

Li agora que o agressor tinha justo receio de andar a ser perseguido e ameaçado pela vítima que, inclusive, o já teria tentado sequestrar com auxílio de elementos das cobranças difíceis. Teriam sido, pois, estas circunstâncias concretas e o considerar que não havia perigo de fuga, nem de continuação da actividade criminosa que decidiram o juiz a optar pela medida de coacção de apresentação diária na PSP