sábado, 20 de agosto de 2011

Que vergonha é esta?

Anda na comunicação social grande polémica, que já passou para o nível ministerial, sobre promoções indevidas nas Forças Armadas, ordens do ministro das Finanças não cumpridas, despachos na gaveta, etc. Como sempre, pretexto para denegrir os militares. Do que pude apurar está em causa uma lei que diz que quando um militar é aumentado todos os mais antigos o são por arrastamento. Hoje no Expresso, o MST diz que a extraordinária tratação engendrada pela hierarquia militar era: de cada vez que um oficial fosse promovido a um posto superior, todos os que há mais tempo esperavam promoção eram promovidos também! Tudo isto é mau demais para ser verdade, qualquer das duas hipóteses. A hierarquia está calada, mas não pode continuar. Tem que esclarecer isto e depressa. Se esta história se confirma será a maior vergonha por que já passei, como militar, apesar de já estar reformado.

3 comentários:

O Jorge Beirão Reis disse...

Subscrevo, na íntegra, o comentário do João Nuno. E acrescento: O Sr. Ministro da Defesa já teve conversações com as hierarquias militares e com as associações de militares. Que vergonha para as hierarquias militares! Continuo a afirmar que os militares, mesmo na reforma, não deveriam poder ser membros de instituições sindicais, vulgo "associações". Eu, naõ sou membro de nenhuma, nem quero ouvir galar delas. Mas as hierarquias militares, aparentemente, convivem pacificamente, com estas sinistras instituições. Haja Deus!
Tenho afirmado que nasci na 1ª metade do século XX e vivi a maior parte da mimnha visa na 2ª. Começo a recear não se capaz de viver com dignidade, neste século. Mas não penso desistir!
Jorge Beirão Reis escreve de acordo com a antiga ortografia (a que aprendi, pois não conheço outra e sou velho demais para a aprender.

O José Aguilar disse...

Passei uma larga percentagem da vida a ouvir a litania de que os militares são íntegros e frontais. Cada vez tenho mais dificuldade em compreender por que razão os assuntos referentes aos militares ficam sempre numa suspeita nebulosa, sem que ninguém esclareça convenientemente os assuntos. Nesta situação, não é de admirar que surjam associações profissionais; é o corolário da "demissão" (o português é uma língua muito rica) dos chefes...

O Ferreira da Silva disse...

Estou com o Aguilar: Que me lembre nunca ouvi a hierarquia falar.