segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Contas... (Réplica ao soneto publicado em 1.2.2015)

Da autoria de frei Castelo Branco, frade arrábido do sec. XVII:

Deus nos pede do tempo estreita conta 
é forçoso dar conta a Deus do tempo!
Mas como dar, do tempo, tanta conta
se se perde sem conta tanto tempo?!

Para fazer, a tempo, minha conta
dado me foi, por conta, muito tempo.
Mas não cuidei no tempo e foi-se a conta, 
eis-me agora sem conta... eis-me sem tempo

Oh vós, que tendes tempo e tendes conta,
não o gasteis, sem conta, em passatempo,
cuidai, enquanto é tempo, em terdes conta 

Ah ! se quem isto conta do seu tempo 
tivesse feito, a tempo, apreço e conta,
não chorava, sem conta, o não ter tempo   


Abraço do E. Gomes   

1 comentário:

O J.N.Barbosa disse...

Boa réplica. Haverá mais?