domingo, 10 de janeiro de 2010

THE DEEP MEMORY

Descemos esta escada pela última vez faz hoje 44 anos

Um obrigado sincero a todos os que me ensinaram , me ajudaram , me fizeram praxe e me aprontaram para a vida.

5 comentários:

O Nunes da Cruz disse...

Última vez... como cadetes.
Permite-me que faça minhas as tuas palavras.

O Jorge Beirão Reis disse...

Apoio, mas dispenso a "praxe":tirando algumas excepções, constatei apenas tratar-se de manifestações de vingança (sobre os "mancebos"), relativamente às praxes sofridas no quando eram "mancebos", cobardemente levadas a cabo em grupo. Acrescento que não falo por tê-la sofrido (penso que fui um previlegiado nessa aspecto) mas por ter assistido, incluindo a practicada por elementos do nosso curso sobre os novos mancebos.

Tenho dito. Uma boa semana

O Nunes da Cruz disse...

Não referi nada sobre a praxe porque pensei já não valer a pena. Mas como o JBR o refere, concordo inteiramente com o ponto de vista dele. E mais não digo porque o seria muito fora de tempo.

O Ferreira da Silva disse...

Não tenho sobre as praxes, enquanto rito de iniciação, uma opinião muito negativa. Mas concordo que, de uma maneira geral, nas nossas sociedades já não faz muito sentido e que muitas das práticas actuais não passam de selvajaria, falta de educação e mesmo boçalidade.
Quanto à praxe a que me submeteram na Escola Naval, tirando alguns casos a roçar a patologia, não guardo uma má mamória.
Recordo, pelo contrário, com algum carinho algumas sessões com o saudoso Teles Marcelino como, por exemplo a representação na parada do sistema solar e da máquina alternativa a quatro tempos.

O Jorge Gonçalves disse...

Concordo com o Jorge!