sexta-feira, 6 de março de 2009

Negócios

Este senhor (Faria de Oliveira), patrão da CGD, ao "explicar" no Parlamento o arranjinho que fez com o empresário Manuel Fino sobre as acções da Cimpor que foram adquiridas pela Caixa a preços astronómicos (mais de 62 milhões de euros acima do preço cotado na bolsa) disse que quando, no início da polémica, classificou a operação de "um bom negócio" tinha sido infeliz ... afinal tudo não foi mais do que "um mal menor".
Assim vão os gestores deste "jardim à beira-mar plantado", pagos a peso de ouro por todos nós!

1 comentário:

O Orlando Temes de Oliveira disse...

E o mais curioso é que, embora assumam a responsabilidade, nada de especial sentem nem no bolso nem em outro local qualquer....
Assim é fá cil assumir responsabilidades. Se um de nós se atrsar a entregar a declaração do IRS o que acontece? Paga!
Realmente o País está sequestrado por um grupo de malfeitores.....