domingo, 9 de setembro de 2012

Vamos dar uma vida nova ao Água aberta no OCeano

O facebook tem-nos afastado deste espaço para comentar a actualidade. No entanto, penso que aqui podemos partilhar com maior profundidade o que se vai passando e voltar a dar ao blog a vida rica e diversificada que já teve.
Estamos todos reformados e o que nos está a acontecer é muito preocupante, tanto mais que já não temos muitas possibilidades para onde nos virarmos.
Descontamos uma vida inteira para vivermos uma velhice com dignidade. Com os cortes nas nossas pensões a que estamos obrigados (e temo que os dois subsídios nunca mais voltem), muitos de nós com filhos que começam a atravessar dificuldades, com netos em idade escolar, o futuro próximo que devia ser o de um calmo e despreocupado envelher suportando as doenças que vão chegando como o normal desenrolar da vida, esta a tornar-se num constante sobressalto e medo da morte, não pela morte, mas pela vida dos nossos filhos.

6 comentários:

O J.N.Barbosa disse...

Apoiado. Confesso que também perdi o interesse, mas temos que fazer um esforço. É mais difícil do que fazer "likes", mas puxa mais pela cabeça.

O Nunes da Cruz disse...

Concordo com o AFS e comungo plenamente das suas preocupações aqui expressas, que também me vêm assaltando desde algum tempo, ao recordar certas histórias que ouvi nos nossos primeiros tempos de Marinha, sobre a situação degradante de alguns militares reformados de então (alguns deles oficiais generais) e de suas viúvas.

O J. Teixeira de Aguilar disse...

Perfeitamente de acordo. É com o nosso silêncio que certos "responsáveis" contam para irem piorando o nosso nível de vida, ratando-nos as reformas, cortando-nos algumas "regalias" no tocante a apoio clínico e de um modo geral ignorando-nos sobranceiramente. Se os "meninos" que tiraram cursos à cacetada julgam poder pregar moral e impor sacrifícios a quem progrediu honestamente na vida, desenganem-se: a verdade vem sempre à tona.

O Nunes da Cruz disse...

A sintonia entre muitos de nós, formados nos mesmos valores, é um facto. E em relação às pensões, poder-se-á dizer mesmo que será total.
Também acho que a verdade vem sempre à tona. Só é pena é que possa vir depois de muitos de nós terem ido em sentido inverso, i.é. ao fundo.

O Ferreira da Silva disse...

Certamente que um dos nossos economistas vai ser capaz de nos explicar o que tem acontecido e virá possivelmente a acontecer às nossas pensões nos próximos anos.
Organizei a minha vida contando sempre com o que me pagavam no fim do mês fazendo aquilo a que chamamos as contas do merceeiro.
Já cheguei à conclusão que isso não dava e que tenho de ser mais cauteloso e gostava de saber um pouco mais sobre como estas coisas funcionam.

O Fernão disse...

E ainda não sabias dos 10% a menos!
Pela minha parte já estou a contestar, ainda democraticamente, politicamente, o que está a acontecer. E o resto do pessoal?
Que tal activar-mos também a ASMIR, a AOFA e os partidos politicos em geral?
O Passos está lá pela vontade de 17.000 cidadãos!