terça-feira, 12 de junho de 2007

Almirante Charles Napier (3)

«A força numérica do arsenal era para mais de duas mil pessoas, incluindo os coxos, os cegos, e os preguiçosos, que formavam a parte principal do estabelecimento. Os principais oficiais têm postos de marinha e eram vistos empregar-se nas suas obrigações, trazendo chapéus armados, espadas e dragonas. Haviam construtores e ajudantes de construtor em abundância; alguns destes últimos sem instrução para o seu mister; porém neste arsenal não se considerava a habilidade uma qualificação necessária.
Tomando posse do meu lugar, fui cumprimentado por todos os oficiais navais e outros que tinham relação com a repartição. Entre os primeiros havia capitães, chefes e tenentes, vários dos quais jamais tinham feito viagem.Isto não era caso desusado; e na verdade D. João tinha numa ocasião transformado um bispo em capitão naval. Terminadas estas cerimónias, passei a inspeccionar as diferentes repartições, todas as quais eram boas em teoria, mas nada podia ser pior na prática. A marinha de Portugal tinha por muito tempo sido tratada com desleixo, e, à excepção do último marquês de Viana,nenhum major-general teve jamais suficiente influência para a melhorar. O ministro da marinha e ultramar é superior a major-general, e como normamente se nomeia para aquele ministério o ministro menos influente, esta repartição é sempre a última a que se atende; além disto não havia unidade entre os dois lugares. Lisonjeei-me em vão de poder remediar estes males, porém achei-me insignemente enganado.»

4 comentários:

O Nunes da Cruz disse...

Como começo não está mal: o "arsenal da marinha que é o mais completo e o mais sólido estabelecimento que jamais vi", apetrechado com "para mais de duas mil pessoas, incluindo os coxos, os cegos, e os preguiçosos, que formavam a parte principal do estabelecimento", como poderia funcionar com o mínimo de eficiência?
Não há dúvida de que partindo daqui, melhorámos muito, apesar de tudo. Cubramos com isso a vergonha de trechos do nosso passado como este.

O 403 d'62 disse...

NC
com a devida vénia, creio que a causa da falta de eficiencia se encontra um pouquinho mais à frente no texto do Napier...

O Nunes da Cruz disse...

Também... também... Aqueles são só os coxos, cegos, e preguiçosos do ponto de vista fisico.
Embora com esta matéria prima não se fosse longe, ainda seriam os menos responsáveis, estou inteiramente de acordo.
A propósito: onde estavas durante o almoço de hoje?

O LSN disse...

Devia andar a passear no paredão!!!